Relaxar


Nem sempre demonstro, mas uma das coisas mais difíceis da minha vida é relaxar. Talvez alguém já tenha percebido que o fato de nunca parar de falar alto e mexer com tudo a minha volta é  mais do que bom humor e jeito brincalhão. Na verdade, com certeza algumas pessoas já perceberem que tem algo a mais… Um pouco exagerada?! Talvez! Discreta eu não sou. Ok, eu estou tensa sempre e isso é bem óbvio e estampado na minha cara, no meu balançar de pernas, no meu cantarolar em lugares inapropriados. Eu nunca relaxo!

Não sei o que é ficar despreocupa e confiante o suficiente para baixar a guarda e relaxar.

Não relaxo nem quando durmo. Se durmo. Ir para a cama é certeza de agonia. Marido dorme rápido, eu fico revirando de um lado para o outro. Leio, jogo Paciência Spider no celular, olho o os feeds das redes sociais, fico admirando o teto. Continuo revirando de um lado para outro. Pesou o olho. Se eu dormir agora vou ter quantas horas de sono?! Dormi. Relaxar?! Nãããããããããããoooooo!! Sonha com assalto, afogamento, morte e decepção. Mas foi só um cochilo de 15 minutos para na próxima meia hora achar outro sonho bizarro e desagradável. E assim sucessivamente durante toda a madrugada.

Acordo mais cansada do que quando fui dormir. Já saio de casa tensa querendo comer o mundo e xingar quem passar pela frente. Bom dia para vocês, bandibosta, porque eu passei a noite fritando na cama. Vou ficando mais tranquila umas dez e trinta da manhã, que geralmente é quando eu me dou conta do que eu peguei pra vestir antes de sair. Sempre me arrependo. Sinto o olhar de julgamento das pessoas por aquela gordinha ali se vestir feito uma doida inapropriada. Daí só paro de pensar nisso quando minha preocupação é fome.

Vou escolher o que para o almoço?! Fast food engorda demais. Salada não me deixa satisfeita. Sushi é muito caro. Aí alguém me chama para comer sanduíche de bacon, com saladinha e sushi como acompanhamento. Dá pra relaxar?! Vamos! Claro. Engraçado que não me lembro qual foi a ultima vez que eu não me senti culpada por comer demais. Gastar demais.

Meu marido paga as contas de casa praticamente sozinho, e com certeza vai ser assim até eu me formar. Questiono se foi boa ideia voltar pro começo e escolher outra profissão. Por que não escolhi Arquitetura logo da primeira vez?! Isso, claro, intercalado de pensamentos constantes de que não vai dar certo, não vai dar tempo, não vou ter dinheiro, minha chefe não vai gostar, e não deveria ter feito aquela merda há 13 anos atrás.

Uma chuva de não seguida de resposta alguma e grande possibilidades de frustração. Pulo de um pensamento pro outro, sem nunca relaxar. Já tentei ioga e aulas meditação no youtube. Bebo umas. Aumenta a porcentagem de pensamentos e de perguntas sem respostas. Passa o dia inteiro assim.

Fica aqui o meu desejo de um dia conseguir soltar todos os músculos e minha vontade gritante de não precisar falar tão alto para tentar silenciar as perguntas aqui dentro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *