As migas de Dedo Podre 5


Vamos levar em consideração aqui apenas as minhas amigas mesmo, para não ampliar tanto assim a amostragem. Mulheres perto dos 30 anos, com bagagens intelectuais próximas, vivências sociais semelhantes e acesso à cultura e informação. Por que diabos umas apontam o dedo justamente para a cilada?! Aquele famoso dedo podre.

Sou dessas que acredita que a vida é uma junção das consequências de todas as escolhas que fazemos, pequenas e grandes. O que motiva essas escolhas depende de cada uma, do já viveu e no que acredita. Baseado nisso, porque alguém, em sã consciência, escolheria a cilada? Pra quê escolher sofrer? Tem umas amigas que eu vejo se enveredando numas furadas que me faz desacreditar na capacidade humana de racionalizar antes de tomar uma decisão, ou na pior das hipóteses, que o azar acompanha aquela criatura independente do caminho que ela escolha. Só pode.

Aí  a gente lembra de uma frase clássica, de um filme maravilhoso que diz:

“Nós aceitamos o amor que acreditamos merecer.”

E não só o amor. Aceitamos o emprego que achamos que merecemos, aquela vaguinha mais ou menos ou o pior lugar para ver o pôr-do-sol. Quando nos sentimos pouco, aceitamos pouco.

O que eu vejo em muitas mulheres que me rodeiam, é que elas não têm a menor ideia do quanto são maravilhosas e superiores aos homens (trastes!) que elas arrumam. Elas não tem a menor ideia do quanto são auto suficientes e estariam bem melhor desacompanhas, o que as fazem saírem correndo desesperadamente atrás do príncipe encantado para a vida toda.

Não é dedo podre, é pressa de alcançar o que elas acreditam ser a situação ideal de felicidade. E mulher solteirona não é feliz, não mesmo?! Quem não tem medo de ficar para titia?! Essa premissa de que é preciso estar em um relacionamento, ter um homem do lado, faz muitas das minhas amigas cair em ciladas que por questão de respeito não vou falar. Mas posso dizer que relacionamento abusivo aqui é mato, e que por algumas temo até pela futura integridade física.

Não é dedo podre, é a certeza de que não vai encontrar nada melhor. Comodismo. Desesperança. Apatia. Ignorância emocional. O que me resta se não assistir?! Se não tentar ser empática e estar aqui todas as vezes que elas quebram a cara, e não cansar nunca de dizer o que pensa?!

Então eu vou estar aqui amiga, não importa para que lado seu dedo podre aponte. Mas ó, você merece mais.

 
banner-BEDA


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 pensamentos em “As migas de Dedo Podre

  • Debora Pizolito

    Ai, me abraça?
    Lendo esse post eu lembrei de algumas situações que já passei ou vi amigas passarem. Hoje sei que a gente vale mais sendo feliz com a gente mesmo do que sendo infeliz com o outro, mas até ai foi um longo processo. Merecemos mais sim, e não desistiremos enquanto não estivermos plenamente satisfeitas! <3
    Um beijo!

  • KARINE

    entendo BEM esse sentimento de ver amigas se metendo em ciladas com homens que não são 1% do que elas são ou merecem e não poder fazer nada, além de dar ombro amigo e apoio nos momentos ruins :/ (porque qualquer conselho já não adiantou). é triste, mas as vezes rola uma cegueira (não acho que em todas as vezes é por isso de TER que ter alguém pra ser feliz, sabe?), eu mesma já aquela pessoa que não quer ver – só considerava as qualidades de uma pessoa, que na verdade me colocava pra baixo, tirava minha auto estima e me fazia sofrer muito mais que qualquer coisa. foi difícil sair dessa ~cilada, foi dificil abrir os olhos, mas aconteceu.

    • jade Autor do post

      Sim, acho que a cegueira é até “normal”. O que eu não acho normal é essa cegueira constante com tantos trastes diferentes! Minha nossa! Me deixa louca. Ás vezes tenho vontade de bater a cabeça da amiga na parede até abrir pra ver se coloco alguma coisa dentro.