Angústia e Talvez


Esse ano tem sido ruim até agora. Ano passado foi uma droga, mas esse ano tá melhorando em nada. Tem sido só uma grande continuação louca e desconjuntada. Ok, talvez tenha que dá o desconto da minha veia dramática e exagerada que todo mundo já conhece. Tô viva, com saúde (mas nem tanto), não passo necessidade alguma e tenho uma casa pra morar. Mas todo o resto parece bagunçado, confuso e fora de lugar.

Eu faço uma faculdade com consome 60% do meu tempo. Vinte ficam no trabalho e na casa, os outros vinte ficam pra mim e para as horas de sono. Então vamos calcular aí uns 10% para botar a vida em ordem e ter interações sociais não obrigatórias. Quem coloca a vida em ordem com 10%?! QUEM?! Não eu.

Aí vem a sensação de que incompetência, sufocamento, incapacidade. Minha vida acadêmica é o principal motivo de eu não estar mentalmente sã. Sou eu que me submeto a isso por livre e espontânea vontade (e um pouco de pressão também). Estou na reta final dessa loucura que eu coloquei como prioridade na minha vida em detrimento de  todo o resto, inclusive de mim mesma a essa altura da minha existência. Agora começo  meu trabalho de conclusão de curso com um medo descomunal. Não medo de não conseguir, porque eu sei que consigo, mas medo de como eu vou estar no final disso.

Talvez eu não tenha maturidade emocional para lidar com o fato de que não posso fazer tudo do jeito que quero sempre. Maldita mimada. Talvez eu nunca tenha sido boa em alguma coisa  e tenha medo de não ser boa nisso também. Talvez essa seja a minha última chance de ser alguém na vida, fruto de orgulho pros meus pais e eu tenha medo de fracassar de novo. Talvez seja ruim demais pensar em ser mais uma sem nenhum talento ou capacidade, uma coisa pesada e amorfa sem utilidade na vida dos outros.

Talvez tenha muito mais coisas em jogo do que projetos e teorias. Talvez seja preciso andar com meus pés antes de supor que seja exagero ou que não tenha motivos para tanta angústia. Tem coisa que só eu sei.

Falta um ano. E eu não quero e não vou deixar para ser feliz só depois disso.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *